Pendência 22: uniformizar minhas fotos de perfil

Ou perfis?! Enfim…

Dia desses, estava observando quantas fotos de perfil em mídias sociais e afins eu tenho. Em cada uma, pareço uma pessoa diferente. Fotos de 2009, 2010, 2011…Fotos de quando eu nem sabia me maquiar ainda, rs.

Resolvi uniformizar faz tempo, mas queria uma foto que fosse bacana para todas as mídias. E ontem cumpri a pendência. Fui para o estúdio em que Kuka – João Carlos Diniz -, um super fotógrafo e amigo trabalha, para mais uma vez brincar de modela.

Ele ainda está tratando as fotos. Creio que até semana que vem já dá pra escolher. Enquanto isso, vou ficando na curiosidade…

E tenho que agradecer, né?! Kuka contribui para a minha ideia de que na vida a gente não precisa de muito mais que um casaco e amigos. 🙂

Agora, um dever de casa. Pensa direitinho em como andam suas fotinhos na web. E seus posts também. Quem visita seu Linkedin e entra no seu perfil do Facebook consegue identificar a mesma pessoa? Porque no meu não. Por isso estou mais cuidadosa…

Pendência 21: reformar três quadrinhos de cozinha

Sabe aqueles quadrinhos de colocar na cozinha, que vêm com umas frutinhas de plástico coladas? Então… A Amanda, que mora comigo, tinha três desses quando veio pra cá. Mas os pobrezinhos não duraram três faxinas. E há quase um ano eles aguardavam um rumo, recebido hoje.

O terceiro não deu certo com nenhuma das duas imagens que coloquei. Ficou pendente.

Quanto aos papéis, você se lembra do projeto das gavetas recicladas? Esse aqui ó. Pois é, são de velhos tempos.

Pendência que quase não sai: semana de viagem a trabalho, casório, visita de amiga querida, tpm… Aiaiai. Será que eu chego?

Faxina com bônus na pendência 20

Limpar a área de trabalho do meu computador sempre é tarefa pra, no mínimo, uma hora. Embora haja uma pasta pra cada documento, a urgência me faz soltar tudo lá.  Por isso, aproveitei o domingão na casa dos meus pais pro ctrol r + ctrol v e/ou pro delete. Quem organiza os arquivos, organiza a vida. E eu nem me orgulho desta bagunça toda.

Em pastas ou não, frases e imagens que falam um pouquinho dos últimos meses. Minha sujeirinha também se parece comigo.

Da esquerda para a direita: “what I like best about my home is that most things in it have a story…”, via Design Sponge. A única pouco legível. As outras são do tumblr “Prosa e Poesia” e a que está em espanhol é via olhares da irmã, que, como alguns perguntaram, atende por Arícia Possas.

Artesanatos…

Inspirações para mesa de trabalho…

*Imagens via Pinterest.

E depois de tudo redirecionado, uma imagenzinha nova para o papel de parede.

Prontinho! E por favor, diga que não sou a única bagunceira assim…

Pendência 19: postar o antes e o depois de uma restauração

Quem acompanha o universo da decoração de interiores provavelmente já observou o quanto aqueles tradicionais arquivos de escritório – cinza e sem graça – têm se tornado alvo de criatividade e ganhado alma decorativa.

*Imagens daqui, daqui e daqui.

Ano passado, andando pela carpintaria do colégio, eu deparei com um deles. Sujo, empoeirado, enferrujado e completamente abandonado em um cantinho. Pedi ao Seu João que guardasse pra mim. E ele guardou até maio deste ano, quando se despediu daquele que foi seu local de trabalho por mais de 30. 😦

Trouxe para a cidade dos meus pais. E foi aí que entrou em cena Seu Joaquim. Um senhor que, após um avc grave, agora vive fazendo pequenos reparos para continuar sentindo-se útil. E com que capricho trabalha, viu?!

A pendência era mostrar o antes e o depois, mas quem fotografou o antes foi meu irmão e não consegui encontrar as fotos de jeito nenhum. De qualquer forma, vi no Pinterest uma imagem parecida com o arquivo original, que estava bem mais deteriorado, mas tudo bem.

Escolhi o vermelho, já que era para um antigo projeto do meu quarto.

E agora, a cereja do bolo. Para quem gosta da ideia, seguem aqui 10 sugestões de reforma de arquivos.

Uma reflexão para a pendência 18

Hoje, 12 de outubro, como todos sabem, é dia de Nossa Senhora Aparecida e também Dia das Crianças. Sinceramente, não tenho muito a falar da primeira. Já das segundas… Ah se tenho!

A foto abaixo eu tirei em Brasília. E já fazia tempo que queria postar uma reflexão a respeito. Que data melhor que hoje?

Quando comecei a procurar os blogs de decoração buscando ideias pra minha casa, caí logo no dcoração.com, da Vivianne Pontes. Logo me identifiquei com a autora em razão de sua passagem por Ouro Preto, do estilo dos textos que escreve e das ideias práticas e possíveis que publica.

Em muitos posts, Vivianne relata a antipatia que tem de trabalhos faça você mesmo com cara de trabalhinhos de escola. Eu entendo bem a autora. Mas, pela experiência de trabalhar em uma instituição de ensino de base, penso que o segredo para um bom faça você mesmo está justamente em nunca deixar de fazer tais trabalhinhos. Vai por mim, é por eles que tudo começa.

Por mais de três anos, fui assessora de comunicação de um colégio muito tradicional de Belo Horizonte. Durante esse tempo, fotografei crianças de cinco anos fazendo sua própria interpretação dos girassóis de Van Gogh, alunos de sete reproduzindo seus quartos em maquetes de caixas de sapato e de dez confeccionando suas fantasias de carnaval com materiais recicláveis. E mais infinitas coisas.

Claro que, infelizmente, essa não é a realidade de todas as escolas brasileiras. No entanto, o objetivo não é levantar a discussão em torno disso, e sim, em torno do quanto é importante mantermos viva a criatividade que nos é tão estimulada quando criança, tanto em casa quanto na escola.

As crianças são as verdadeiras anarquistas?

Bem… Crianças precisam de pratos sorridentes para comer verduras e legumes. Nós, adultos, nos contentamos em triturar a cenoura sem fazer careta e jurando que é uma delícia. Crianças têm lápis de cor e canetinha para rabiscos. Nós, quando nos formamos, costumamos ser presenteados com canetas sérias, pesadas, que nos dizem que a vida agora é dura e mais cinza.

Crianças têm quartos coloridos. Nós podemos ter uma cama e um armário, que decoração é supérfluo. Crianças brincam, correm e se sujam, redigem textos com ideias de como mudar o mundo, falam o que pensam, não mentem pelas e para as pessoas… E nós?

Quando leio sobre o crescimento do mercado criativo, sempre suspiro aliviada. Mas penso que é na essência das crianças e na imaginação ilimitada delas que se encontra o elo para adultos menos durões e mais observadores das coisas bonitas ao seu redor.  Nas crianças, está o poder de transformação que faz delas – e de nós – a promessa de um futuro diferente.

Diante disso, desejo que, tanto hoje como em todos os próximos dias, tenhamos o hábito de acordar a criança adormecida dentro da gente.  E aprendamos, assim, a ser eternamente anarquistas.

Feliz Dia das Crianças!

Pendência 17: comprar meu presente de aniversário

A única que envolve consumo, acho. Bem… Assim como milhares de pessoas que vivem no século XXI, sou muito ansiosa. Quando tenho uma ideia, quero executá-la na hora. E me incomoda muito depender de terceiros. Pensando nisso e no tanto que um marido de aluguel anda furando os olhos nesta cidade, decidi investir em minha independência em quesitos domésticos.

Uma furadeira, uma parafusadeira e uma maleta com 101 peças são aquisições que queria desde o ano passado. Já testei a primeira, já testei a segunda e tenho até me saído bem com as ferramentas. Na maleta, meus amigos riram quando disse que havia peças que provavelmente vou morrer sem saber pra que servem. Mas a maioria vai ser muito útil.

E foi isso. Por 200 dinheiros comprei meu presente de aniversário e,  pensando bem, o presente do dia das crianças (já que meus olhos brilham tanto quanto os delas quando consigo concluir um projetinho de casa).

Em breve, mais uma Griselda no mundo!

Passarinhos na pendência 16

Reformar um pingente que ganhei em 2007. Tinha a ideia, tinha o material, só não tinha tempo. Até hoje!

Tenho paixão por passarinhos. Não que eu entenda deles, mas gosto do que eles representam: leveza e liberdade.  Para o projeto a seguir, usei jornal, tesoura, cola, caneta nanquim, alicate de bijuteria e coordenação motora. Mesmo assim, ainda teve um passarinho mais rabudo que o outro. Mas tudo bem…

Se você não tem caneta nanquim, serve qualquer uma de ponta mais fininha. E alicate de unha velho também quebra o galho em caso de ausência da ferramenta apropriada.

E no cordão…

“(…) eles passarão, eu passarinha”

Pendência 15: um risoto para o outubro rosa

Não foi proposital. Uma coincidência cair bem no mês de outubro. Há tempos queria experimentar este risoto de morango com gorgonzola, prato aprendido e divulgado pela amiga Mayra Lopes.

Faz um ano que a receita foi publicada no blog Gordelícias, com fotos super lindas, feitas pelo Rodrigo Valente – amigo meu e marido da Mayra  –  e uma história muito especial.

Ingredientes (para quatro porções, eu fiz metade):

Para o brodo:

– legumes variados (pode ser o que tiver na geladeira, mas geralmente uso abobrinha, chuchu, cenoura, batata e uma cebola).

Para o risoto:
– 1 cebola
– 2 colheres (sopa) de manteiga
– 400g de arroz arbóreo
– 1 copo de vinho branco
– 1 caixa de morangos
– 200g de queijo gorgonzola
– 200g de queijo parmesão fresco ralado
– Sal a gosto

 

Modo de fazer:

Para o brodo, ferva os legumes picados em água por aproximadamente 40 minutos e reserve. Esse caldo de legumes servirá para cozinhar o risoto. Frite a cebola em uma colher de manteiga (uma dica para não queimar a manteiga é colocar um fio de azeite antes de levá-la ao fogo). Acrescente o arroz arbóreo e refogue. Jogue o vinho branco até evaporar o álcool. Vá acrescentando aos poucos o caldo de legumes, mexendo sempre. Quando o arroz estiver al dente, acrescente o morango e o queijo gorgonzola. Mexa bem, jogue uma última concha do brodo. Quando estiver evaporando, acrescente uma colher de manteiga e o queijo parmesão, sem parar de mexer. Pode parecer que vai ficar aguado, mas ele seca. Como o gorgonzola já é salgado, é mais seguro experimentar no final e corrigir o sal. Tampe e aguarde 10 minutos. Está pronto!

*Fiz tudo quenem. Só “assassinei” o risoto usando caldo de legumes industrializado. Como não almoço e raramente janto em casa, fiquei com dó de desperdiçar os legumes do brodo. Mas mesmo assim, ficou muito bom.

p.s.1: copiei a receita bem na íntegra, já que meu dia não está pra paráfrases…

p.s.2: o Rodrigo arrasa muito mais nas fotos que eu. Melhor ir pelas dele.

A receita, na verdade, é de uma prima-irmã da Mayra, que faleceu há um ano, vítima da metástase de um câncer de mama. Nós, amigos, acompanhamos toda a história. E ainda ouvimos muitas outras quando nos encontramos. Gabi, a prima, aproximou-se da cozinha durante o tratamento. E, além de receitas, deixou lições muito bonitas a todos.

Uma delas foi o apoio à campanha de prevenção contra o câncer de mama. Lembro-me que, em fevereiro de 2009, quando me mudei pra BH, desesperada com a possibilidade da minha mãe estar com a doença, ela tranquilamente me disse: “o mais importante é não se desesperar e ir vivendo as etapas uma de cada vez, no seu tempo”. Sabemos o quanto ela está melhor agora.

Então que o risoto rosa foi providencial para o outubro rosa. E mais providencial ainda foi um vídeo que outra amiga postou na minha timeline do face.

Mulherada do meu cuore, vamos fazer exames preventivos periodicamente?! Sim!

Pendência 14: buscar um móvel prometido

Faz mais de um ano que a mãe do Fabio me ofereceu a cristaleira que ficava no hall de entrada do apartamento deles. Como eu adoro coisa antiga, aceitei na hora. Mas o móvel é do tipo frágil e eu sou do tipo enrolada. Resultado: o tempo passou, o namoro acabou e a cristaleira ficou. “E agora, José?”

Quando eu já dava tudo por perdido, há duas semanas recebi um ultimato. Ou eu buscava a cristaleira ou ela seria despachada para algum outro canto desse mundo de meu Deus. E a melhor opção foi buscar, né?!

O transporte nem foi traumático. Fabio e eu desmontamos a mocinha, colocamos cuidadosamente no carro e trouxemos devagarinho. Demoramos nem 10 minutos pra subir os três andares até meu apartamento. Quanto drama por nada, rsrs. E agora minha sala ganhou até um ar de sala de vó.

Pendência 14: cumprida! Agora faltam os cristais… 😉

Pendência 13: fazer a travessia da Serra do Curral

Tenho dois lugares favoritos em BH: o Parque das Mangabeiras e a Praça do Papa. Duas áreas de contemplação e lazer gratuitos na cidade. Nesses anos morando aqui, já passei muitas manhãs de domingo fazendo caminhadas, observando passarinhos e ouvindo histórias da Serra do Curral. Lembranças de uma vista linda e de aventuras entre amigos do então namorado.

*Imagem: Wikipedia

Tão logo abriram o parque para trilhas, Fabio mandou o link com a novidade, há quase dois meses. E eu não poderia completar 28 anos sem ter a minha própria história na serra, rs.

Hoje foi o dia escolhido. Fomos na sorte, uma vez que a travessia da serra só acontece com agendamento prévio. Como a atendente disse que sempre há desistência, acreditamos que fosse dar certo. E deu. Às 8h45 iniciamos nossa trilha…

* os prédios. a prova. a prova. a praça.

Fiquei feliz com a vista, com a simpatia dos guias e com meu condicionamento físico. Apesar das três horas caminhando sob o sol, completei o trajeto sem bufar, o que significa que minha vida saudável tem valido a pena. 🙂

E sobre o Parque da Serra do Curral, segue um resumo:

“Eleita pela população, em 1997, símbolo de Belo Horizonte, a Serra do Curral constitui parte integrante da história de Minas Gerais. No período de colonização do Estado, era a referência de localização para os viajantes. 

Tombada pela Lei Orgânica do Município e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), ela é o marco geográfico mais representativo da região metropolitana de Belo Horizonte. E o Parque da Serra do Curral protege este patrimônio. Iniciando-se na portaria sul do Parque das Mangabeiras, passando por trás do Instituto Hilton Rocha, estendendo-se pela av. José do Patrocínio Pontes até a Praça do Estado de Israel, o Parque abrange uma área aproximada de 400 mil m².

Com trilhas, mirantes e praças de convívio, ele é espaço para a prática de caminhada, para o descanso e contemplação. Importante ponto turístico da Capital, contribui para a proteção da paisagem e dos recursos ambientais.”

Outras informações aqui.

Boa semana!