No ateliê da Dona – projeto 2

Este é para os sapatos! Projeto 1/3 faça você mesmo, 1/3 peça ao carpinteiro e 1/3 explore o seu designer, rs.

E antes de qualquer coisa, a tal da carpintaria:

Agora o projeto!

Nada que ninguém já tenha feito. Uma sapateira bem da minimalista, mas criada sob medida para o único espaço onde ela caberia: um pedaço do banheiro de empregada. O diferencial está na madeira, que é lá da carpintaria. Portanto, madeira reutilizada! \o/

Ali não tem muito segredo, você precisa de madeira velha e de um marceneiro (encontre um Seu João pra chamar de seu!). Depois, é só comprar a tinta em spray com a sua cor preferida.

Como eu não lido muito bem com a tinta, utilizo as habilidades de Pedro Figo, que, além de ser o designer gráfico da assessoria, é grafiteiro dos muros da vida e domina a técnica. O portfólio dele vale o clique.

Pra facilitar a limpeza, Pedro também me ajudou a colar um adesivo vinílico branco nas prateleiras. O namorado fez o transporte e eu retomei com a organização.

Prontinho!

Rodapé: que projetista de meia tigela eu, né?! Entrei basicamente com a ideia, rs.

Anúncios

Organizando… As bolsas!

Para meninas! Um dos posts remanescentes sobre organização, já que eu tirei o assunto do baú…

Assim como os sapatos, as bolsas podem ser o calcanhar de Aquiles da organização. Ponto fraco de muitas mulheres, há quem tenha coleção delas, né Paula?! O problema é que, na falta de onde guardá-las, acaba sobrando tudo para os pobres cabideiros do quarto. E o resultado? Uma montoeira que só.

Pra quem não se incomoda com a baguncinha inevitável, os cabideiros podem ser uma saída bacana mesmo. Mas a boa notícia é que existe vida além deles! E suas bolsas podem ficar muito bem guardadas no armário. Olha só:

E pra quem não se importa com os cabideiros, é possível tê-los com estilo:

*imagens reproduzidas

E você, como guarda suas bolsas?

Cuidando dos sapatons

Comprar sapato novo é fácil (e uma delícia), só ter dinheiro. Difícil é manter a dignidade do pisante com o batidão do dia-a-dia. E infelizmente, ninguém está a salvo de uma rua esburacada, de uma poça de água ou até mesmo de uma pisada em falso. Tenho certeza de que todo mundo sabe o que é um pé na lama, rs.

Os calçados são sempre foco de observação do nosso interlocutor. Quando reparamos em alguém, geralmente o fazemos da cabeça aos pés ou dos pés à cabeça, não é mesmo? Isso significa que um calçado mal conservado tem um grande poder de influência negativa sobre a nossa imagem, por mais que o restante da produção esteja impecável.  Por isso, saber cuidar de um sapato é tão importante.

Alguns cuidados universais:

-Leia com carinho as instruções de conservação que vêm junto com a caixa do calçado. Esse é o primeiro cuidado.

– Não use o mesmo calçado por mais de um dia seguido. Nossos pés transpiram e os calçados precisam de um tempo para o que o suor evapore.

– Use calçados adequados para a temperatura de cada época do ano.

– Jamais lave um calçado na máquina de lavar. Submergi-lo totalmente em água pode deformá-lo internamente.

– Em caso de calçados molhados, estofe-os com jornal ou papel absorvente para ajudar a retirar o excesso de água.

– Sempre coloque o calçado para secar à sombra e em um ambiente arejado. O calor em excesso deforma o sapato.

Alguns cuidados a serem tomados conforme o tipo de material:

Camurça ou Nobuck

– Quando a sujeira for pouca, esfregue o calçado levemente com uma escova de cerdas feitas de latão.

– Algumas manchas podem ser removidas com borracha. Basta esfregá-la com delicadeza sobre a área.

– Se estiverem muito sujos, o jeito é lavar os calçados com um gel próprio para limpeza, tomando cuidado para não deixá-los completamente encharcados.

– Já existem produtos líquidos para uniformizar a cor da camurça/nobuck. Também existem sprays que protegem e impermeabilizam os calçados, evitando que eles sujem muito e absorvam umidade externa. Geralmente, as lojas que vendem calçados desse material possuem os produtos apropriados para sua conservação.

Tecido

– Use uma escovinha de cerdas macias e detergente neutro para limpar as manchas.

Couro

– Quando o calçado estiver apenas empoeirado, limpe-o com um pano de algodão seco. – Quando o calçado estiver sujo ou embarrado, remova os torrões com faca cega.

– Limpe o restante com uma esponja um pouco úmida e em seguida com pano seco, sem esfregar, pois as partículas de terra poderão danificar a superfície do couro.  Lembre-se de que o couro é transpirante e permeável. Por isto, água em excesso pode deformá-lo, alterar sua cor e enrijecê-lo.

– Engraxe-o constantemente para manter o aspecto de novo. Procure comprar produtos que já venham com aplicadores acoplados. É mais prático e faz menos sujeira.

– Hidrate o couro com uma pomada apropriada a cada três meses. Assim, ele não irá ressecar com facilidade.

Verniz

– Já existem produtos adequados para retirar as manchas de verniz dos calçados. Uma dica é a espuma de limpeza da Shoestock.

OBS: Calçados de verniz e sintéticos possuem acabamentos impermeáveis, o que retém o suor e a umidade durante o tempo de uso. Por isso, é bom ter cuidado redobrado com o descanso desses calçados.

Cuidados com as botas:

Valem as mesmas dicas de conservação de acordo com os materiais já citados acima. Mas atente-se para as botas que forem de cano mais longo. Coloque um porta-cano dentro de cada par, para que o couro não se danifique, ou encha-o com um saquinho de TNT com jornal amassado.

Cuidados com os saltos:

– Os mais finos são os mais difíceis de conservar, porque cabem em qualquer buraquinho que pisamos. O recomendado, portanto, é ter o máximo de cuidado e usar esse tipo de salto apenas em ocasiões onde ele é extremamente necessário.

– Quando um calçado perde um taquinho, o ideal é mandá-lo diretamente para o sapateiro colocar outro. Os taquinhos amortecem um pouco a pisada e protegem o restante do salto.

– Algumas marcas já se antenaram para a proteção dos saltos. A Arezzo, por exemplo, ano passado lançou os protetores da imagem abaixo. São excelentes, sobretudo, para as mulheres que dirigem de salto.

Por último, tenha sempre em mãos o contato de um bom sapateiro. O melhor médico em caso de emergências calçadísticas.

Imagens: Arezzo; Texto: Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins – CTCCA; Produtos: Shoestock.

Organizando… Os calçados!

Em minha opinião, são os mais difíceis de organizar porque precisam de muito espaço e ventilação, o que se torna complicado quando o assunto é exatamente a falta dessas duas coisas. O jeito, então, é achar uma solução pra que sua sandália preferida não fique amassada e suja no meio de tantos outros calçados entulhados no micro-sapateiro do guarda-roupa (a gente sabe que isso acontece, né não?!).

Como há um jeito pra tudo, eis algumas sugestões:

1- Ideal pra guardar os calçados embaixo da cama, sem que empoeirem ou estraguem.

2- Fácil de encontrar em alguns brechós de móveis, é uma boa pedida pra quem tem um pouco mais de espaço no quarto.

3- Este é dos antigos, pra colocar atrás da porta do quarto ou dentro do guarda-roupa. É muito bom pra sapatilhas, chinelos e tênis.

4- Similar ao número 2. Porém, este sapateiro tem o espaço otimizado pra um número ainda maior de calçados.

5- As boas e velhas sacolinhas de tnt. A vantagem de guardar os sapatos assim é que eles já ficam embalados pra viagem.

6- Pra quem não abre mão de guardar os sapatos em caixas, as acrílicas transparentes facilitam a visualização.

7- Também pra quem gosta de guardar em caixas, mas de papel. A dica é colar uma fotografia do sapato em sua parte frontal.

8- Pra quem tem um armário com gavetas espaçosas e planejadas para os calçados.

Tudo isso é meio óbvio né?! O que vale é se utilizar da criatividade e optar pela sapateira mais adequada ao espaço e ao número de calçados que você tem.

No próximo post, vou falar de cuidados que, junto à organização, auxiliam a manutenção dos pisantes.

Organizando… Os tricôs!

Já foram as malhas e as peças de cabide (bem, não necessariamente as peças, mas os cabides sim).  Chegou a vez dos tricôs.

Ao contrário das malhas, que devem ser guardadas nas gavetas, os tricôs merecem as prateleiras do armário. Como são peças de trama mais aberta e delicada, o recomendado é guardá-las dobradinhas dentro de saquinhos de tnt  (o must have da organização) com visor frontal. Caso você ainda não tenha sua coleção completa de saquinhos, embale a primeira e a última peça da pilha. Assim, os tricôs do meio ficarão protegidos.

*imagem reproduzida

Para deixá-los com cara de novinhos, lave-os sempre a mão, com água morna e sabão neutro, e lembre-se de dar pequenas espremidinhas pra tirar o excesso de água, em vez de torcer e correr o risco de deformar a peça.

Recolocando a ordem em dia!

Depois da pausa carnavalesca, a tag está de volta! Bora deixar a preguiça chuvosa pra lá e voltar a arrumar o armário? Sim!

Ainda sobre os cabides…

Você viu aquele monte de cabides no post anterior e percebeu que usa tudo errado? Tudo bem! É só uma questão de adaptação. Um exemplo:

Os cabides antigos podem ganhar ombreiras novas. Elas são vendidas separadamente.

Sabe aquela dobra inconveniente das calças que ficam muito tempo penduradas? Então… É possível não tê-las. Basta encapar a divisória do cabide com um tecido de algodão ou feltro.

E por falar em feltro, saiba também que ele pode ser a solução para muitos problemas. Nas ombreiras dos cabides, por exemplo, ele evita que os tecidos mais finos desfiem e escorreguem, além de dificultar a deformação das peças.

Sobre as cores e conservação…

Você já teve um caixa de lápis de cor, ao menos no jardim de infância, certo?!

Agora, repare como as cores dos lápis acima estão em harmonia. Tons quentes, frios e neutros. Viu?! Você pode deixar seu armário assim!

Atenção especial para algumas cores. Vermelho, marinho, preto e branco podem “queimar” ou desbotar, dependendo do grau de luminosidade incidente sobre a peça. Proteja-as com capas de TNT próprias para cabide. Como essas aqui ó:

*imagens reproduzidas

Pra alegria de todos, achei duas lojas bacanas que vendem as peças: http://www.lojaoz.com.brhttp://americanorganizer.com.br

E você, tem alguma sugestão?

Só pra pendurar!

E o assunto de hoje é… O cabide! Pois é, aposto que em sua rotina de arrumação de guarda-roupa você nem dá muita atenção a ele, estou certa?!

Tudo bem!  Nunca é tarde para aprender que os cabides são tão fundamentais para a conservação das roupas quanto aqueles produtos que eu recomendei aqui.  Também é importante ter cuidado com os materiais. Se forem de madeira, que esta seja envernizada. Metal cromado e acrílico são outras opções.

Depois de muito pesquisar as imagens, consegui fazer uma seleção dos cabides mais adequados a cada tipo de vestuário. Seguem:

1 – Possui as partes laterais ovaladas. Ideal para blazers e paletós.

2 – A estrutura é basicamente a mesma do primeiro, com a diferença de que esse é um cabide adequado para conjuntos, ternos e/ou terninhos.

3 – Ideal para tailleurs. Nesse caso, as saias deverão ser penduradas pelo cós.

4 – Cabide adequado para vestidos modelo tomara-que-caia, saias e calças avulsas. Se você tiver um armário alto e espaçoso, o ideal é prender as calças pela barra, de forma que elas fiquem com o cavalo pra baixo. A força da gravidade irá deixá-las esticadas.

5 – Também é indicado para calças. Nesse caso, as peças ficam dobradas ao meio.

6 – Cabide ideal para quem precisa economizar espaço, pois nele cabem muitas calças ao mesmo tempo. Só é preciso ter cuidado para não criar um volume excessivo nas laterais. Também é bom para cachecóis e pashminas.

7 – Com vários ganchinhos, é uma boa pedida para gravatas e cintos.

8 – Para deixar os lenços e echarpes bem à vista dentro do armário.

9 – Como o cabide nº 7, é mais uma alternativa para gravatas e cintos.

10 – Com nervuras nas laterais, é o cabide dos vestidos e blusas de alça. (Sabe aquelas fitinhas de cetim que vêm nas laterais internas de algumas roupas? Então, esse cabide é pra elas!).

11 – Cabide skinny. Pra quem não tem muito espaço a perder dentro do armário. Oi!

É possível encontrar esses tipos de cabides em grandes lojas de artigos para o lar. Lojas especializadas em objetos de organização também são certeiras. Caso você tenha pouca paciência em procurar e algum dinheiro a mais pra gastar, uma boa saída é contratar aquele seu (ou dos seus pais) marceneiro de confiança.

Alguma dica?

Organizando… As malhas!

Assim, só pra não criar expectativas. Se alguém aí estava esperando ver aquele closet-dos-sonhos como exemplo para a organização, sinto dizer que vou decepcionar. O objetivo da coisa toda não é mostrar marcas, descrever o que tenho e tal, mas tentar dar dicas úteis de como manter tudo em ordem (ainda que se viva num quartinho bem pequeno, com um armário de três portas e uma cômoda para guardar tudo, como eu).

Também é claro que eu não elaborei as dicas sozinha. Para isso, contei com livros escritos por profissionais que atuam no ramo há tempos, como Titta Aguiar, por exemplo, umas das veteranas em consultoria de imagem no Brasil.

*imagem reproduzida

Começando pelas malhas:

“Tudo que não amasse deve ser guardado em gavetas, menos o tricô.”

E é verdade.  Eu separo as peças de malha assim: brancas, pretas, cinzas e de tons pastéis em uma gaveta, dobradas como se estivessem na loja, e coloridas, de tons vibrantes, em outra, em rolinhos (para facilitar a visualização).

O ideal é que haja uma padronização. Se você optar por rolinhos, que seja tudo em rolinhos. Se optar pelas peças dobradas, que sejam todas dobradas. No meu caso, faço uma gaveta de um jeito e outra de outro por uma questão de espaço. Como tenho mais peças de cores neutras, a gaveta ficaria muito confusa se eu as dispusesse em rolinhos. Na hora de pegar, ia ser um rolo só, literalmente.

Também é importante organizar as peças conforme as cores, do claro para o escuro, ou vice-versa.

E você? Como tem organizado suas malhas?

É tempo de organizar!

Semana passada, recebi de uma amiga o pedido de post sobre organização de guarda-roupa. Achei ótimo, pois este também é um dos serviços que oferto na consultoria, caso o(a) cliente precise. Uma motivação para por tudo em ordem, já que as coisas em casa andam bem desorganizadas (troca das janelas no ap + reforma no prédio + viagens pra casa dos pais = quarto pequeno cheio de coisas da sala + malas por desfazer).

Durante a próxima semana, vou tentar fazer o seguinte: fotografar, organizar, fotografar e postar. Ver o “antes e depois” é bom e todo mundo gosta! Quem não?

Enquanto não inicio a maratona, deixo aqui uma listinha de produtos indispensáveis à manutenção e conservação de suas coisas.

1- Kit básico de costura: tesoura, agulhas, alfinetes, botões e linhas. Pras roupas que precisam de pequenos reparos e dos “pontinhos” de última hora. Quem aí já não passou pela experiência de colocar a blusa favorita e, ao levantar o braço, perceber um furinho indesejado?

2- Escova de roupa: pros fiapinhos maiores que grudam nas peças.

3- Rolo Scotch Brite: pras bolinhas claras das roupas escuras. Obs: fita crepe também cumpre bem o papel.

4- Creme de tratamento para os calçados. Na imagem, estão produtos para calçados de couro, mas também existem sprays hidratantes para camurça e nobuck. Pra ter os sapatos, botas e sandálias por mais tempo.

5- Flanela: pra limpar o armário e tirar poeira dos calçados.

6- Escova de calçado: pra passar nos calçados depois que o creme seca. Há quem goste dos brilhantes.

7- Antitraça: pra não correr o risco de ver sua blusa favorita cheia de furinhos.

8- Antimofo: pra absorver a umidade e evitar que as roupas embolorem.

9- Caixa organizadora: pra não deixar tudo isso à mostra.

Esqueci alguma coisa?