Em busca do fio da meada

Quando eu tinha 13 anos, na 7ª série, o colégio em que eu estudava passou a oferecer um curso de bordado em ponto cruz durante as tardes. Coisas de interior de Minas. Eu, moça chegada nos artesanatos que era, comecei a fazer as aulas, passando a dominar a técnica em poucos dias. Pra quem não conhece e como o próprio nome já diz, é um tipo de bordado em que a gente vai fazendo cruzinhas em um tecido furadinho, variando o número de pontos e de cores até formar uma letra ou desenho.

Exageros à parte, fazer bordado em ponto cruz exige paciência, capricho e perseverança. Um bom bordado é descoberto pelo verso, não pela frente. E um projeto simples, como uma toalha, por exemplo, pode demorar dias. Também é preciso material. Boas agulhas, um tecido com quadradinhos furados, bastidor (opcional) e mais aquilo que faz a mágica acontecer: a linha. Conforme aprendi, o melhor fio para o ponto cruz é o fio da meada, mais fino e macio que os outros.

Assim, eu e minhas amigas bordadeiras fomos montando nossa maletinha. Agulhas, tesoura e linhas. O fio da meada pra mim era esse. E perdê-lo, até então, significava nada além do literal: não conseguir finalizar o trabalho.

Mas o tempo vai passando e a gente percebe que perder o fio da meada não é tão simples quanto parece. Aliás, a metáfora é bem mais difícil. Encontrá-lo é tarefa árdua, solitária e silenciosa, pois só a gente pode dar notícias de onde ele estava quando foi perdido. Há que se revirar tapetes, reabrir caixas e vasculhar gavetas da mente e da alma. Elimina-se muitas coisas nesse processo, ao passo que se redescobre outras guardadas há tempos. E dói de um tanto perceber as certezas virando dúvidas, sentir os braços curtinhos perto de tanto mundo e desamarrar o monte de corrente invisível com que a gente se prende que você até imagina. É o tempo em que a inspiração viaja para que possamos olhar pra dentro, arrumar a casa e reaprender a olhar pra fora de novo.

O primeiro semestre já se vai. E me despeço com um sorriso largo e dando tchauzinho para um período meio cinza, meio indefinido, de perda total do fio da meada. Foram muitos convites irrecusáveis, muitos aceites incalculados e muito workaholismo drenador de energia. Foi uma grande perda de alguém especial, uma grande confusão de família… Foi muito tudo, inclusive aprendizado. Ficou certeza de dias melhores e gratidão pela força extra.

E tanta transformação interna pede casa nova, mais sustância das letras e ainda mais cuidado e planejamento. O post de hoje é só uma janela aberta pra contar aos vizinhos que tô cuidando de tudo. Que o drama não acabou, mas mudou de sentido porque a dona agora é do tipo que engole o choro e está desatando nós como ninguém. Dizer pra você não demorar a voltar com seu café fresquinho, que em breve mesmo eu tô de volta! café fresquinho

Anúncios

Uma consideração sobre “Em busca do fio da meada”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s