Objetos de memória afetiva

Há uns meses, minha mãe fez a divisão de quem ficaria com o quê da “herança” de meu avô. Quando ela me entregou as coisas que tinha guardado pra mim, foi inevitável me lembrar da Amélie descobrindo a caixinha de recordações do Sr. Bretodeau no banheiro.

Se você não se lembra ou não viu o filme, segue a cena.

E vem na memória um pouco do que ele era. O lápis de marceneiro da Johann Faber (antes de mudar o nome pra Faber Castell); um kit de ferramentas chave de fenda e philips; duas das inseparáveis lupas de bolso, tão companheiras quanto a carteira; uma régua de números e um monóculo sem lente, com um retratinho dele nos anos 70, quando usava mapas ao se guiar por São Paulo, onde trabalhou por um tempo.

A saudade faz abrir a caixinha. E faz perceber o quanto a gente carrega influências e trejeitos que nem sabe que carrega.

Alguém me apresenta ao Google Mapas? Rs.

No final, importa mesmo é a poesia que a gente vai deixar na caixinha. Já pensou nisso?!

Anúncios

Uma consideração sobre “Objetos de memória afetiva”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s